Breaking News

Estimulanet , Afinal, Monteiro Lobato era racista ou não ? , POLÊMICA ,

Afinal, Monteiro Lobato era racista ou não ?

Está de volta a antiga polêmica, que a bem da verdade nunca sumiu, apenas deu uma esfriada. Seria Monteiro Lobato racista? As obras de Monteiro Lobato tem objetivo ou frases racistas?

A polêmica volta a tona, depois que Antonio Gomes da Costa Neto e Elzimar Maria Domingues, mestres em educação, e por Humberto Adami, advogado do Iara (Instituto de Advocacia Racial e Ambiental), entraram com uma ação junto a CGU (Controladoria Geral da União), para que seja investigada a aquisição pelo MEC para inclusão no Programa Nacional Biblioteca na Escola ( PNBE ), o livro " Negrinha" de Monteiro Lobato.

De acordo com Humberto Adami, uma obra inclusa no PNBE não pode  apresentar estereótipos e preconceitos. O trecho de apresentação de "Negrinha" que tem sido colocado pontado como alvo das criticas é esse" 
"Negrinha era uma pobre órfã de 7 anos. Preta? Não, fusca, mulatinha escura, de cabelos ruços e olhos assustados. (...) O corpo de Negrinha era tatuado de sinais, cicatrizes, vergões. Batiam nele os da casa todos os dias, houvesse ou não motivo."

Mas será esse, apenas esse trecho, o motivo das obras de Monteiro Lobato serem alvo de crítica e censura? Certamente não. O que poucos sabem, ou o que muitos tentam ignorar seja por desconhecimento ou má-fé, é que Monteiro Lobato escreveu diversas cartas, revelando ser eugenista e escravagista. Para muitos, a época em que viveu Monteiro Lobato era repleta de eugenistas e escravagistas. Sim de fato, e o maior deles atendeu pelo nome de Adolf Hitler que usou a eugenia para emplacar o Nazismo.

As polemicas cartas de Monteiro Lobato foram garimpadas pelo colunista do Jornal O Globo, Arnaldo Bloch. E se descobriu textos como esses relatados abaixo, publicados na revista BRAVO!
"País de mestiços, onde branco não tem força para organizar uma Kux-Klan (sic), é país perdido para altos destinos. (...) Um dia se fará justiça ao Ku-Klux-Klan; tivéssemos aí uma defesa desta ordem, que mantém o negro em seu lugar, e estaríamos hoje livres da peste da imprensa carioca - mulatinho fazendo jogo do galego, e sempre demolidor porque a mestiçagem do negro destrói a capacidade construtiva"
(carta enviada a Arthur Neiva em 10 de abril de 1928)
"Dizem que a mestiçagem liquefaz essa cristalização racial que é o caráter e dá uns produtos instáveis. Isso no moral - e no físico, que feiúra! Num desfile, à tarde, pela horrível Rua Marechal Floriano, da gente que volta para os subúrbios, que perpassam todas as degenerescências, todas as formas e má-formas humanas - todas, menos a normal. Os negros da África, caçados a tiro e trazidos à força para a escravidão, vingaram-se do português de maneira mais terrível - amulatando-o e liquefazendo-o, dando aquela coisa residual que vem dos subúrbios pela manhã e reflui para os subúrbios à tarde."(carta a Godofredo Rangel incluída na primeira edição do livro "A Barca de Gleyre", em 1944)
O que os denunciadores de Lobato desejam é que a obra dele não conste nas bibliotecas das escolas publicas, muito embora não se veja na obra de Monteiro Lobato, nenhuma tentativa de implementar nas crianças o sentimento de racismo ou eugenia.

O crime de Lobato foi ter tido ideias e ideais racistas e eugênicos e contado isso em cartas, mas não em sua obra.

Fica a pergunta: É justo impedir que as escolas públicas tenham acesso a uma obra infantil, puramente infantil, porque se descobriu tempos depois que seu autor era eugenista?




Nenhum comentário

Os comentários são moderados, isso significa que ao clicar em enviar, eles não são publicados imediatamente, e sim após serem analisados.