Argentino pode ser o Anticristo

By | 01:51 Leave a Comment
Uma família da zona sul da região urbana de Buenos Aires vive uma estranha situação que não tem explicação racional. Um filho de apenas seis anos fala em "aramaico", não dorme nunca e ri da cara dos sacerdotes que tentam benzê-lo.

Mariana, a mãe do pequeno, pede desesperadamente a ajuda da Igreja para exorcizar a criança, que estaria possuída por um suposto "demônio milenar". Ela contou que estão vivendo "um pesadelo".

- "O pior de tudo é que pedimos a ajuda da Igreja, mas existem mecanismos burocráticos que afastam esta possibilidade, pelo qual estamos obrigados a recorrer a soluções alternativas, com o perigo que representa para a integridade do nosso filho", contou.

Os médicos Hospital Garrahan diagnosticaram a criança com TGD (Trastorno Generalizado de Desenvolvimento). No entanto, apesar de alguns calmantes, os problemas persistiram, motivo pelo qual os pais buscaram uma solução alternativa até que chegaram a uma igreja de Avellaneda onde foram alertados que deveriam recorrer a um exorcismo.

Mariana explicou que "a única pessoa que pôde reverter parcialmente o problema foi um padre de Entre Rios", que advertiu que o menino "requer uma sessão de mais de 20 horas, que deve ser executada por especialistas, porque há sérios riscos de vida para a criança".

A mulher criticou que enquanto no Vaticano sacerdotes de todo mundo fazem cursos de exorcismo, ali parece que pretendem ignorar o casos.

Ao ser consultada sobre o início do problema, a mãe do garoto diz que ele teve um desenvolvimento normal, inclusive superior à média, mas depois sua personalidade mudou rotundamente, tornou-se violento, come com as mãos, e parece não sentir frio.

Traduzido de: Nuevodiarioweb  

Pra mim o anticristo só podia mesmo ser Argentino, mas eu jurava que no inferno se falava espanhol e não Aramaico...
A solução é até fácil, primeiro a gente exorciza o Argentino do guri, depois damos umas porradas no demônio.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Os comentários são moderados, isso significa que ao clicar em enviar, eles não são publicados imediatamente, e sim após serem analisados.