A mulher do armário

By | 07:54 3 comments

Você já viu de tudo nessa vida? Claro que não, você não mora no Japão.

No Japão existe de tudo: no Japão e na China.

Um Japonês de 57 anos que reside na cidade de Fukuoka, cuja identidade não foi divulgada pela policia Japonesa, andava meio cabreiro com o desaparecimento de produtos alimentícios de sua dispensa na cozinha, para saber o que ocorria, resolveu instalar uma câmera de segurança na tentativa de desvendar o mistério misterioso que misteriosamente ocorria em sua ausência (ai). E qual não foi sua surpresa ao verificar nas imagens uma mulher circulando pela sua residência enquanto ele estava fora.

O Japa , claro chamou a policia que resolveu revistar a casa, procura ali, procura aqui, finalmente a polícia achou a tal mulher. Tatsuko Horikawa, de 58 anos, ela simplesmente se instalou em cima de um dos armários do cara, com direito a colchonete e algumas garrafas de água. E ela vivia ali cerca de 1 ano, isso mesmo,1 ano vivendo em cima do armario do cara, claro que não o tempo todo, mas 1 ano... e o Japa nem percebeu nada, só dava mesmo era por falta dos miojos.

Tatsuko é o monstro do armário, mas se bem que poderia ser pior.... poderia ser o Mário.

Mas o que mais me espanta ,não é só o fato do Japa tapado nunca ter visto a mulher em seu armário, é o fato da louca (ela?) ter 58 anos e estar na parte superior do armário. Tentei subir no armário daqui de casa e não cosegui. É difícil pra cacete, ou será que foi as cervejas?

Tatsuko Horikawa foi presa e certamente vai ganhar um novo nome na cadeia:
ShiKonDe NoGaDa HoPa.

Se a história é verdadeira eu não sei, só sei que li aqui ó


Powered by Zoundry


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

3 comentários:

  1. Essa é ótima... Fico só imaginando.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5:03 AM

    Tatsuko é o monstro do armário, mas se bem que poderia ser pior.... poderia ser o Mário.
    .
    Que Mário?

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, isso significa que ao clicar em enviar, eles não são publicados imediatamente, e sim após serem analisados.